DISCIPLINEX

Archive for Novembro, 2008

Reprodução Sexuada nas Plantas

Posted by disciplinex em Novembro 22, 2008

Estrutura das plantas

Os orgãos reprodutores ou as estruturas onde se produzem os gâmetas, nas plantas, são designados por Gametângios, e como tal, existem gametângios femeninos e masculinos.

Os gâmetangios masculinos são designados por Estames e os gametângios femeninos são designados por Carpelos

Os Estames são constituidos por Anteras e Filetes e os Carpelos são constituídos por o Estigma, o estilete e os ovários.

As anteras sao constituídas por tubos polínicos que produzem os gâmetas maculinos – os grãos de polen.

Os ovários produzem os gâmetas femeninos – os óvulos.

A reprodução sexuada efectua-se quando ocorre uma transferência dos grãos de pólen para o sistema reprodutor das plantas (mais propriamente no estigma), ocorrendo a polinização.

A polinização é Directa, se se verificar que os grãos de polen caem sobre o estigma da propria planta. (isto só é possivel em plantas hermofroditas, que possuem os dois gametângios)

A polinização é cruzada quando se verifica que os grãos de polen caem sobre o estigma de outras plantas.

Os agentes responsáveis pelo tramsporte dos grãos de polen são tanto abioticos (factores ambientais) como bioticos (seres vivos) .

Como se efectua o processo de fecundação?

Os grãos de polen ao cairem sobre o estigma do sistema reprodutor da planta, ou seja, do carpelo, váo formar um longo tubo polínico sobre a estilete até penetrarem no ovário.

Ocorrerá a junção entre o gâmeta femenino e masculino, processando-se a fecundação.

Posteriormente formará a semente.

Anúncios

Posted in Biologia 11 | Com as etiquetas : , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Reprodução Sexuada nos Animais

Posted by disciplinex em Novembro 22, 2008

O facto de afirmarmos que existe reprodução sexuada nos animais, estamos a afirmar que ocorre fecundação entre os mesmos.

Logo, á a junção de um gâmeta feminino com um gâmeta masculino.

As estruturas onde se produzem os gâmetas são designadas por gónadas

Á animais que tanto possuem os gónadas masculinos como também possuem os gónadas femininos, são designados por hermafroditas.

No entanto, os animais que possuem só um tipo de gónadas (ou masculino, ou feminino) são designados por unissexuados.

Fecundação em Animais Hermafroditas

Nos Animais hermafroditas, visto possuírem tanto sistema reprodutor masculino como também feminino podem se autofecundar (fenómeno da autofecundação), ou seja ocorrer fecundação num só indivíduo.

Nestes casos, a variebilidade genética reduz-se só a um indíviduo.

Fecundação em Animais Unissexuados

Nos animais unissexuados, visto cada indíviduo possuir só um tipo de gónada, masculino ou feminino, a fecundação ocorre obrigatoriamente entre dois indivíduos.

Existem dois tipos de fecundação: externa e interna


Fecundação externa

A fecundação externa efectua-se exclusivamente em animais que se reproduzem em meio aquático e a sua eficácia resulta numa libertação simultânea e em grande quantidade dos gâmetas.

Posteriomente, os espermatozóides fecundam os óvulos.

A membrana especifica dos óvulos permite que somente os espermatozoides da mesma espécie que os óvulos os fecundem, isto eviencia que só ocorre fecundação entre indíviduos da mesma espécie.

Fecundação Interna

A fecundação interna ocorre no interior do organismo dos seres vivos.

Os machos introduzem os espermatozoides no sistema reprodutor das fêmeas, ocorrendo o fenómeno da fecundação.

Jamais poderia ocorrer fecundação externa em meio terrestre, visto que os gâmetas sofreriam dessecação.

Posted in Biologia 11 | Com as etiquetas : , , , , , , | Leave a Comment »

Mitose e Meiose

Posted by disciplinex em Novembro 21, 2008

Como já estudado o processo de Meiose e Mitose é importante fazer um último esquema que acentue as pricipais caracteristicas e diferenças de cada um dos processos.

Caracteristicas gerais:

Mitose:

  • Não se verifica emparelhamento dos cromossomas
  • As células resultantes da mitose são diplóides tal como a célula que as formou
  • As células originadas por mitose são geneticamente iguais á célula que lhes deu origem
  • Os cromossomas separam-se pela ruptura dos centrómeros
  • Só engloba uma divisão – divisão equacional
  • Verifica-se que, na anáfase a quantidade de DNA se reduz para metade em relaçao á celula inicial, no entanto, os cromossomas se mantém uniformes.

Meiose:

  • À emparelhamento dos cromossomas
  • Formação de bivalentes
  • Os pares de cromossomas homólogos formam pontos de quiama
  • Engloba duas divisões: a divisão I: divisão reducional e divisão II: divisão equacional
  • Ocorre crossing-over
  • á ruptura dos cromossomas pelos pontos de quiasma
  • a célula inicial é diploide e vai dar origem, por meiose, a 4 células geneticamente diferentes haploides.

Posted in Biologia 11 | Com as etiquetas : , , | 2 Comments »

Mutações Cromossómicas

Posted by disciplinex em Novembro 20, 2008

O que são Mutações Cromossómicas?

As mutações cromossómicas apenas ocorrem no processo de meiose, em que se verificam erros na formação de gâmetas, que, não “reparados”, traduzem problemas futuros ao ovo fecundado por esses mesmos gâmetas “mal formados”.

As Mutações cromossómicas podem ser de caracter numérica ou estrutural.

Mutações Numéricas

As mutações numéricas tanto ocorrem na Anafase I, quando os pares de cromossomas não se separam pelos pontos de quiasma de forma igual para cada polo da célula. Ou na anafase II, quando os cromossomas não são distribuidos de forma equitativa, ou seja não se verifica a ruptura dos cromossomas pelo centrómero.

sem-titulo

Mutações Estruturais

As mutações ocorrem aquando da Profase l da meiose em que surgem determinados erros quando os cromossomas se emparelham, ou seja, quando se efectua o crossing over.

Existem várias tipos de Mutações estruturais:

Delecção: Quando ocorre a perda de um segmento/porção do cromossoma.

deleccao


Duplicação: Quando se verifica a repetição de um segmento do cromossoma

duplicacao

Inversão: um segmento experimenta uma nova posição em relação a outro segmento do cromossoma.

inversao1


Translocação: transferência de segmentos entre cromossomas não homólogos.

trnslocacao:

Posted in Biologia 11 | Com as etiquetas : , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Meiose

Posted by disciplinex em Novembro 16, 2008

O que é a Meiose

A meiose é o processo responsável pela redução cromossómica de células diploides tornando-se háploides.

A partir de uma célula diploide, por meiose, formam-se 4 células haploides geneticamente diferentes à célula que os formou.

A Meiose

Esquematizando as matérias até aqui dadas:

fecundacao1

A Meiose permite a redução do numero de cromossomas, assim a partir do ovo, as células que se vão especificar em gâmetas irão sofrer uma meiose, e assim, passam de diplóides para haplóides.

Como se processa a Meiose?

meiose_overzicht1

Pelo esquema observamos que tudo começa com uma célula diploide (2n=4), pois a célula apresenta pares de cromossomas homólogos, antes do esquema ocorrou e Interface (como sabemos pelas matérias anteriores) onde ocorru replicação semiconservativa do DNA na célula.

DIVISÃO l

Profase I

Os cromossomas homologos emparelham-se entre si, isto e, ficam lado a lado, ao ficarem lado a lado irão-se cruzar, como mostra a imagem:

trywr

Este fenómeno de cruzamento é designado de Crossing Over – o crossing over permite que haja uma permuta da informação genética do cromossoma paterno com o cromossoma materno, contribuindo para a variebilidade genética.

Os pontos comuns dos cromossomas (bolinha a vermelho) são designados pontos de quiasma.

Cromossomas homologos ligados por pontos de quiasma são designados de Bivalentes.

Na célula, forma-se o fuso acromatico, o involucro nuclear desorganiza-se e o nucleolo dissolve-se.

Metafase I

Os bivalentes posicionam-se na placa equatorial da célula, e ligam-se aos microtúbulos, a dsposição dos cromossomas é feita ou acaso, contribuindo também para a variebilidade genética, isto é: tanto o cromossoma A (que é par de B) pode estar virado para o polo norte da célula como pode estar virado para o polo Sul da célula.

Anafase I

Dá-se a ruptura dos bivalentes pelo pontos de quiasma visto os feixes de microtubulos do fuso acromatico encurtarem – ascensão polar – e os cromossomas migram para os polos das células.

Assim por lote de cromossomas cada célula é constituida por 2 cromossomas (n=2), enquanto na célula inicial existiam 4 cromossomas. Logo, verificou-se uma divisão reducional

Telofase I

Restitui-se o involucro nuclear e reaparece o nucleolo, dissolve-se o fuso acromatico.

Os cromossomas descondam-se, tornando-se finos e extensos.

Na célula encontra-se 2 nucleos filhos cujo constituição de cada 1 é apenas 2 cromossomas.

DIVISÃO II

Ao dar continuidade á divisão II, ocorre uma interface, embora especial, pois nesta não ira ocorrer de novo replicação semi conservativa do DNA, visto que no final da Interface se obteu já cromossomas constituidos por 2 cromatídios cada.

A partir de agora a divisão II irá se processar igualmente á Mitose:


Profase II

Os cromossomas tornam-se mais grossos e curtos

Forma-se o fuso acromatico

Desorganiza-se o involucro nuclear e dissolve-se o nucleolo

Metafase II

Os cromossomas dispoem-se na placa equatorial da célula e ligam-se aos microtubulos pelo centromero

Anafase ll

Dá-se a clivagem dos cromossomas pelo centromero e cada cromatideo de cada cromossoma de cada nucleo separa-se migrnado para os polos da célula – ascensão polar.

Assim, reparamos que por cada lote de cromossomas o numero de cromossomas (2)é igual á célula quando entrou em profase II (2) , mas a quantidade de DNA reduziu.se para metade, logo houve uma redução equacional

Telofase II

Os cromossomas descondensam-se

Reaparece o nucleolo e o involucro nuclear

Posted in Biologia 11 | Com as etiquetas : , , , , , , , , , , , , | 2 Comments »

Fecundação

Posted by disciplinex em Novembro 16, 2008

Como sabemos, a fecundação é a união entre dois gâmetas, um de origem materna e outro de origem paterna.

Nos animais o gâmeta masculino é o espermatozóide e o gâmeta feminino é o óvulo.

Nas plantas o gâmeta masculino é o grão de polen e o gâmeta feminino é a  oosfera.

Processo de fecundação

fecundacao

Observamos na imagem que em cada gâmeta existem 3 cromossomas, (na nossa espécie existem 23 cromossomas em cada gâmeta).

Cada um desses 3 cromossomas de cada gâmeta tem determinados genes que especificam determinados caracteres do organismo resultante da fecundação.

Ora, por exemplo, um cromossoma do óvulo tem um gene que determina a cor dos olhos, e outro que determina a cor do cabelo, logo, no gâmeta masculino também iremos ter um cromossoma que cujo  gene determina a cor dos olhos e outro a cor dos cabelos. Portanto em cada gâmeta encontramos os mesmos genes, mas uns podem, por exemplo, determinar cor azul e outros cor castanha para os olhos.

No ovo, verificamos que dada a fusão do espermatozóide com o óvulo os cromossomas ficam num meio comum a ambos, e os cromossomas vão-se emparelhar uns aos outros, ou seja, vao-se “ligar” aqueles que contêm os mesmos genes, estes sempre t^m o mesmo tamanho.

Como vemos na figura já estão emparelhados os cromossomas, um do gâmeta paterno que codifica um certo gene e outro do gâmeta materno que codifica o mesmo gene. A estes cromossomas são designados homólogos.

Células Diplóides e Haplóides

Retomemos a imagem:

fecundacao

Verificamos que no Ovo ou Zigoto existem pares de cromossomas homologos, ou seja iguais entre si, em que cada par tem um cromossoma de origem paterna e outro de origem materna em que ambos possuem os mesmos genes.

Todas as células que possuem pares de cromossomas homologos são designadas de Diploides. (ex: ovo)

Todas as células que não pussuem pares de cromossomas homologos são designadas de Haploides.      (ex: os gâmetas)

As células podem-se chamar Diploides podem tomar a designação 2n = (número de cromossomas)

As células podem-se chamar Haploides podem tomar  a designação de n = (número de cromossomas)

Na imagem anterior tinhamos que no ovo 2n = 6, e nos gametas n=3.

Posted in Biologia 11 | Com as etiquetas : , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Reprodução Sexuada

Posted by disciplinex em Novembro 16, 2008

A reprodução sexuada efectua-se aquando da fecundação, ou seja, a reprodução é sempre sexuada quando á junção de um gâmeta masculino com um gâmeta feminino, formando o ovo.

Posted in Biologia 11 | Com as etiquetas : , , , , , , , | Leave a Comment »

Reprodução Assexuada

Posted by disciplinex em Novembro 15, 2008

A reprodução assexuada define-se pela reprodução de organismos por Mitose, ou seja, pela divisão da célula-mãe.

Como sabemos, por mitose todas a células surgidas são geneticamente iguais á célula mãe. Logo podemos designar que são autênticos clones.

Clonagem nas Plantas

A partir de um fragmento de uma planta é possível formar outra planta geneticamente igual á que foi clonada.

As células se forem diferenciadas sofrem desdiferenciação, tendo capacidade de originar todos os tecidos característicos da planta.

Este processo é designado por micropropagação.

Vantagens da Micropropagação:

– Requer um só indivíduo

– Os caracteres prevalecem nos novos indivíduos

– As plantas obtidas são saudáveis

Desvantagens da Micropropagação:

– requer uma técnica especializada

– Equipamento sofisticado

– Pessoal Qualificado

– Aumenta a probabilidade de uma vasta população ser dizimada por um parasita, uma vez que todos os indivíduos são geneticamente iguais.

Clonagem nos Animais

Como é do conhecimento, temos como exemplo a ovelha Dolly.

clonagem_dolly

1-Retirou-se o núcleo de uma das células da ovelha a ser clonada

2- Retirou-se o óvulo de uma outra ovelha

3- Remoção do núcleo do óvulo

4- Inserção do núcleo da ovelha a ser clonada da célula sem núcleo, formando um célula numa constituição normal (citoplasma do óvulo com núcleo de uma outra ovelha)

5- Período de gestação

6- Nascimento da ovelha clonada

A ovelha clonada é geneticamente igual á ovelha que doou o núcleo, visto a informação genética estar contida no mesmo.

Como vimos, o núcleo inserido no óvulo, na sua totalidade é designado de Ovo, este irá sofrer sucessivas mitoses e irá se especializar em certos tecidos formando a ovelha.

A ovelha Dolly é geneticamente igual á ovelha que foi clonada, logo a reprodução assexuada tem uma reduzida variabilidade genética.

Posted in Biologia 11 | Com as etiquetas : , , , , , , , , | 1 Comment »